Notícias
Gelo, usar ou não usar?

Gelo, usar ou não usar?

//Josh Stone

Quando temos uma entorse no tornozelo, um estiramento, uma contratura… ouvimos, coloca gelo que vai ficar bom logo. Vamos em uma consulta com o médico, fisioterapeuta, dentista,… primeira coisa a ser dita antes de mais nada é, coloque gelo! Mas como é isso?

A Medicina Chinesa não vê o gelo com “bons olhos”. Há uma explicação simples, nossos corpos são quentes, todo o nosso metabolismo trabalha em quebra de moléculas que conservam nossa temperatura corporal, assim tudo que é muito frio é anti-corporal. Vejam bem, tudo mesmo! Até a água que bebemos com muito gelo no copo os chineses “olham de lado”.

A medicina ancestral pensa da seguinte forma, ou colocaremos calor, ou vamos retira-lo [se for excessivo]. Não é atoa que “Acupuntura” como chamamos por aqui no ocidente, em bom chinês chama-se Zhēn Jǐu 針灸, numa tradução literal significa metal [agulha] e fogo [que vai desde moxabustão e diversas outras técnicas que usa-se literalmente o próprio fogo]. Voilá, até no nome dessa tal acupuntura os chineses deixam claro ao que se propõem.

Bom, mas como essa história de China não cola muito bem, vamos então ao que a ciência vem descobrindo, não muito recentemente, sobre o assunto. Não sou muito de postar artigos científicos ou coisas do gênero, afinal a medicina que pratico prega que cada corpo é um nicho a ser estudado em sua própria dinâmica. Apesar do discurso de individualidade ser bem bonito [na minha opinião] segue abaixo uma série de considerações muito bem embasadas de um americano chamado Josh Stone sobre o tema tão polemizado, gelo. E agora, usar ou não usar?

10 Razões do por que gelo nas lesões é errado

Autor Josh Stone

Se você me conhece, está ciente sobre minha visão anti-gelo. O debate a respeito do gelo continua intensa.Muitas são as literaturas a respeito, mas as evidências do uso do gelo nas lesões músculo-esquelética continua apresentando lacunas. Escrevi sobre o gelo muitas vezes, mas muitos dos meus artigos anti-gelo são baseados na ciência e focado sobre um tópico. Desejo fazer algo diferente desta vez. Vou manter o assunto curto, leve e compreensivo. Assim, trarei 10 razões do porque não devemos usar gelo nas lesões musculoesqueléticas.

1- Inflamação é o primeiro processo fisiológico de reparação e remodelação do tecido. Você não conseguirá ter uma reparação e remodelação tecidual sem inflamação. Gelo constringe o fluxo sanguíneo e impede que as células inflamatórias alcancem a área lesionada. Os vasos sanguíneos não se “abrem” novamente por algumas horas após o uso do gelo

2-Células inflamatórias são designadas em liberar um hormônio chamado IGF1 (Insulin-like Growth Factor). IGF1 é um mediador primário do efeito do hormônio de crescimento e um estimulador do crescimento e proliferação celular e um inibidor potente de morte celular programada. O uso do gelo inibe a liberação do IGF1.

3-Somos contraditórios. Adotamos muitas terapias da Europa e da Medicina Tradicional Chinesa como a proloterapia (aplicação de uma substância irritante injetado no espaço da articulação ou dos ligamentos circulantes para estimular a regeneração tecidual), a acupuntura, as injeções PRP (Plasma Rico em Plaquetas). Todos eles são pró-inflamação, eles estimulam ou aumentam a resposta inflamatória. Estudo demonstram que essas terapias são benéficas. Gelo faz o oposto dessas terapias.

4-Edema – um produto do processo inflamatório – deve ser removido da área lesionada. O edema que acumula na área lesada não acontece porque há um excesso de líquido, ele acumula porque há uma lentidão na drenagem do líquido linfático. O líquido linfático é drenado através da contração muscular e compressão. Vem sendo provado que o gelo inverte o fluxo linfático.

5-Gabe Mirkin, MD – o médico que criou o termo RICE (Rest, Ice, Compression, Elevation – Repouso, Gelo, Compressão, Elevação) – já disse que ele estava errado. “Treinadores tem usado minha conduta RICE por décadas, mas agora observamos que tanto o gelo quanto o repouso completo pode lentificar a cura, ao invés de ajudar na mesma.

6-Um posicionamento feito pela Associação Nacional dos Treinadores (National Athletic Trainer’s Association), através da revisão de muitos artigos científicos no tratamento de entorse do tornozelo, concluiu que a terapia a base de gelo tem um ranqueamento C de evidência, significa pequena ou baixa evidência. Em uma entrevista o autor do artigo falou: “Eu desejaria dizer que o que encontramos é o que sempre foi feito na clínica … talvez nossos colegas europeus saibam de algo que não sabemos … há um menor índice do uso de gelo por lá”.

7-Gelo não favorece ao alinhamento apropriado de colágeno. Uma imagem diagnóstica de uma lesão crônica de um tendão, como uma tendinopatia do Aquiles, joelho de saltador, joelho de corredor e fascite plantar demonstram fraqueza na arrumação de colágeno no tecido conectivo. Pesquisas e mais pesquisas demonstram que exercícios (especialmente o de contração excêntrica) ajudam ao alinhamento do colágeno

8-Gelo impede os sinais celulares e inibe o desenvolvimento adequado de novas células. O processo da metano biologia e sinais celulares faz com que células novas, as células que ainda não sabem o que serão, faz com que elas se reconstruam formando as células musculares, ósseas, tendíneas, etc.

8-Gelo interfere na mediação nervosa, na força, velocidade e coordenação do músculo. Uma busca nas pesquisas médicas encontrado em 35 literaturas que após o resfriamento há uma imediata perda de força, velocidade, potência e agilidade.

10-O Gelo controla a dor, mas o alívio dura apenas 20-30 minutos e como mostrado acima traz uma lentificação na melhora da lesão. Há muitas formas de controlar a dor que não impeça a regeneração tecidual e a cura.

Eu tive uma discussão com um médico sobre o gelo e ele arguiu com algo que me fez parar para pensar, “claramente existe uma polarização dogmática no uso do gelo na nossa comunidade médica! Hábitos antigos demoram a morrer. Muitos colegas insistem no uso do gelo …. mesmo com as evidências científicas disponíveis que essa terapêutica não funciona”. Terapeutas, cuidadores supostamente deveriam trabalhar sob bases científicas. A evidência a respeito do gelo é clara que o gelo não é o melhor método ao tratar lesões.

Se desejarem saber mais sobre a formação do Josh Stone segue o link:  http://stoneathleticmedicine.com/about/

Bibliography:

1William JR, Srikantaiah S, Mani R. Cryotherapy for acute non-specific neck pain (Protocol). Cochrane Database of Systematic Reviews 2013, Issue 8.

2Forsyth, A. L., Zourikian, N., Valentino, L. A. and Rivard, G. E. (2012), The effect of cooling on coagulation and haemostasis: Should “Ice” be part of treatment of acute haemarthrosis in haemophilia?. Haemophilia, 18: 843–850. doi: 10.1111/j.1365-2516.2012.02918.x

3Rajamanickam, M., Michael, R., Sampath, V., John, J. A., Viswabandya, A. and Srivastava, A. (2013), Should ice be used in the treatment of acute haemarthrosis in haemophilia?. Haemophilia, 19: e267–e268. doi: 10.1111/hae.12163

4Forsyth, A. L., Zourikian, N., Rivard, G.-E. and Valentino, L. A. (2013), An ‘ice age’ concept? The use of ice in the treatment of acute haemarthrosis in haemophilia. Haemophilia, 19: e393–e396. doi: 10.1111/hae.12265

5Dolan. New Concepts in the Management of Acute Musculoskeletal Injury. NATA 2013 Annual Meeting.

6Selkow, NM, Pritchard, K.  CRYOTHERAPY FOR THE 21ST  CENTURY: UPDATED RECOMMENDATIONS, TECHNIQUES, AND OUTCOMES. NATA 2013 Annual Meeting.

7Johnson, M, Denegar, C. Mechanobiology, Cell Differentiation and Tendinopathy – From Bench to Bedside. NATA 2013 Annual Meeting.

8Kaminski TW, Hertel J, Amendola N, et al. National Athletic Trainers’ Association position statement: conservative management and preventing of ankle sprains in athletes. J Athl Train. 2013;48:528-545

9http://www.medscape.com/viewarticle/823217_1 – accessed April 9, 2014.

10Block, JE. Cold and Compression in the Management of Musculoskeletal Injuries and Orthopedic Operative Procedures: A Narrative Review. Open Access Journal of Sports Medicine 2010:1 105–113

11Hubbard, TJ, Aronson, SL, Denegar, CR. Does Cryotherapy Hasten Return to Participation? A Systematic Literature Review. J Athl Train. 2004 Jan-Mar; 39(1): 88–94.

12Bleakley, CM and Davidson, GW. Cryotherapy and inflammation: evidence beyond the cardinal signs. Physical Therapy Reviews. Volume 15, Number 6, December 2010 , pp. 430-435(6).

13Bleakley CM, Glasgow P, Webb MJ. Cooling an acute muscle injury: can basic scientific theory translate into the clinical setting? Br J Sports Med. 2012 Mar;46(4):296-8.

14Hart JM, Kuenze CM, Pietrosimone BG, Ingersoll CD. Quadriceps function in anterior cruciate ligament-deficient knees exercising with transcutaneous electrical nerve stimulation and cryotherapy: a randomized controlled study. Clin Rehabil. 2012 Nov;26(11):974-81.

15Hubbard, TJ, Denegar, CR. Does Cryotherapy Improve Outcomes with Soft Tissue Injury? J Athl Train. 2004 Jan-Mar; 39(1): 88–94.

16Bleakley C, McDonough S, MacAuley D. The use of ice in the treatment of acute soft-tissue injury: a systematic review of randomized controlled trials. Am J Sport Med. 2004; 32:251–261.

17Takagi, R, et al. Influence of Icing on Muscle Regeneration After Crush Injury to Skeletal Muscles in Rats. J of App Phys. February 1, 2011 vol. 110 no. 2 382-388

18Buckwalter, JA, and  Grodzinsky, AJ.  Loading of Healing  one, Fibrous Tissue, and Muscle: Implications for Orthopedic Practice. Journal of American Academy of Orthopedic Surgeons, Vol 7, No 5, 1999.

19Cottrell, and O’Connor, P. Effect of Non-Steroidal Anti-Inflammatory Drugs on Bone Healing. Pharmaceuticals, Vol 3, No 5, 2010.

20Haiyan Lu, Danping Huang, Noah Saederup, Israel F. Charo, Richard M. Ransohoff and Lan Zhou. Macrophages recruited via CCR2 produce insulin-like growth factor-1 to repair acute skeletal muscle injury. The FASEB Journal. Vol. 25 no. 1 January 2011. 358-369.

21Guyton, AC and Hall, JE.  Textbook of Medical Physiology 10th Ed., W. B. Saunders Company. 2000.

22Meeusen, R. The use of Cryotherapy in Sports Injuries. Sports Medicine.  Vol. 3. pp. 398-414, 1986.

23Abrahams Y, Laguette MJ, Prince S, and Collins M. Polymorphisms within the COL5A1 3′-UTR That Alters mRNA Structure and the MIR608 Gene are Associated with Achilles Tendinopathy.Ann Hum Genet. (Epub – ahead of print) Jan 2013.

24Khan, K M, and Scott, A. Mechanotherapy: How Physical Therapists’ Prescription of Exercise Promotes Tissue Repair.  Br J Sports Med. 2009;43:247–251.

25Joseph, MF, Lillie, KR, Bergeron, DJ, and Denegar, CR. Measuring Achilles tendon mechanical properties: A reliable, noninvasive method. J Strength Cond Res. 26(8): 2017–2020, 2012.

26Fragala, M. S., Kraemer, W. J., Mastro, A. M., Denegar, C. R., Volek,  J. S., Hakkinen, K.,  Anderson, J.M.,  Lee, E. C., and Maresh, C. M. Leukocyte β2-Adrenergic Receptor Expression in Response to Resistance Exercise. Med. Sci. Sports Exerc. Vol. 43, No. 8, pp. 1422–1432, 2011.

27Fluck M, Mund SI, Schittny JC, Klossner S, Durieux AC, et al. (2008) Mechano-regulated tenascin-C orchestrates muscle repair. Proc Natl Acad Sci U S A 105: 13662–13667.

28Scott, A., Khan, K.M.,  Duronio, V, Hart, D.A. Mechanotransduction in Human Bone In Vitro Cellular Physiology that Underpins Bone Changes with Exercise. Sports Med. 2008; 38 (2): 139-160.

29Joseph, MF, Taft, K, Moskwa, M, and Denegar, CR. Deep Friction Massage to Treat Tendinopathy: A Systematic Review of a Classic Treatment in the Face of a New Paradigm of Understanding.Journal of Sport Rehabilitation. 2012, 21, 343-353.

30Durieux AC, D’Antona, G, Desplaches, D,  Freyssenet, D, Klossner, S, Bottinelli, R, and Fluck, M. Focal adhesion kinase is a load-dependent governor of the slow contractile and oxidative muscle phenotype. Jof Physiol.  2009;587:14. 3703–3717.

31P Kannus and L Jozsa. Histopathological changes preceding spontaneous rupture of a tendon. A controlled study of 891 patients. J Bone Joint Surg Am. 1991 Dec 01;73(10):1507 1507-1525.

32Couppe´, M. Kongsgaard, P. Aagaard, P. Hansen, J. Bojsen-Moller, M. Kjaer, and S. P. Magnusson. Habitual loading results in tendon hypertrophy and increased stiffness of the human patellar tendon. J Appl Physiol. 105: 805–810, 2008.

33Adamantios Arampatzis, Kiros Karamanidis, and Kirsten Albracht. Adaptational responses of the human Achilles tendon by modulation of the applied cyclic strain magnitude. J of Exper. Biology. 2007. 2743-2753.

34Clark, MA, and Lucett, SC. NASM’s Essentials of Corrective Exercise Training. 2010. Philadepha.

35Sahrmann SA. Diagnosis and Treatment of Movement Impairment Syndromes. St. Louis, MO: Mosby; 2002.

36Saithna A, Gogna R, Baraza N, Modi C, Spencer S. Eccentric Exercise Protocols for Patella Tendinopathy: Should we Really be Withdrawing Athletes from Sport? A Systematic Review. Open Orthop J. 2012;6:553-7

37Sussmilch-Leitch et al. Physical therapies for Achilles tendinopathy: systematic review and meta-analysis. Journal of Foot and Ankle Research. 2012, 5:15.

38Murtaugh and Ihm.  Eccentric Training for the Treatment of Tendinopathies. American College of Sports Medicine –Training, Prevention and Rehabilitation. Volume 12 & Number 3 & May/June 2013.